Desenhos da Disney estimulam sexo e violência

 

Desenhos animados podem conter mensagens subliminares (mensagens subliminares são sugestões geralmente imperceptíveis ao consciente, que são embutidas em vidros ou músicas, e que pela repetição, acabam sendo aceitas de maneira inconsciente).
Depois que a notícia sobre a existência de imagens subliminares nos desenhos da Disney foram divulgadas pelo pregador brasileiro Josué Yrion, radicado nos EUA, inúmeros pesquisadores saíram à caça de mais evidências.
Infelizmente, para a Disney, a lista foi ampliada. São fatos e provas contundentes demais para ignorá-los. Até mesmo pessoas não-religiosas e, portanto, sem o mesmo interesse no assunto que o pregador, ficaram horrorizadas com aquilo que estava sendo mostrado a seus filhos em nome da alegria e do encantamento.
Veja o que se descobriu: no filme "Mogly", a serpente diz ao menino que olhe em seus olhos, porque levaria para o abismo, de onde jamais poderia sair; no filme "Robin Hood", o herói usa uma bola de cristal para chamar o príncipe das trevas e faz conjuros com os dedos das mãos, sinais reconhecidos como os mesmos utilizados pelos satanistas para invocar demônios; no filme "Hércules", o diabo sai do meio do abismo e diz que seu nome é Hades, o senhor da morte; a capa do vídeo "A pequena sereia" é apontada como pornografia infantil: colunas submersas têm forma de um membro sexual masculino. No filme, na cena do casamento, existem sinais de excitação sexual; no filme "Cinderela", o gato se chama Lúcifer; o significado indígena da palavra "Pokahontas" é "espírito invocado do abismo". A garota do filme vai a uma árvore e consulta o espírito de alguém que teria morrido há 400 anos.

Homossexuais e lésbicas




 
Em junho de 1996, 97 e 98, a Walt Disney World foi a anfitriã do 6.º, 7.º e 8.º Fia Anual de Gays e Lésbicas. Num desenho animado, os organizadores retrataram o Mickey e o Pato Donald como amantes homossexuais, e Minnie e Margarida como lésbicas. A companhia não fez nenhuma objeção publicamente. Os atores Ernie Sabella e Nathan Lane disseram que as personagens que
interpretam (Timão e Pumba) no filme "O Rei Leão" foram as primeiras personagens homossexuais da Disney a aparecer na tela.

A Disney contratou Devin Smith para produzir os filmes "Dogma", que ataca o cristianismo, dizendo que a crença cristã é pouco mais que mitologia, e "A procura de Amy", sobre um homem que diz ser amado por uma garota, até descobrir que ela é lésbica. Eu mesmo vi uma chamada para este filme na TV a cabo HBO no início de julho de 2000. Há um beijo na boca entre garota e sua namorada (já na própria chamada) que é de tirar o fôlego. De nós, não delas...

A Disney admitiu em janeiro que o até então inofensivo desenho animado "Bernardo e Bianca", produzido em 1997, contém imagens subliminares ao longo da fita. A cena acontece aos 28 minutos do filme: os dois ratinhos - engajados em ajudar uma menina a se livrar de seqüestradores - então viajando sobre um velho albatroz. À aterrissagem, o pássaro perde altura e passa em frente a vários prédios. Numa janela aparece a imagem pornográfica de uma mulher expondo o corpo. A Disney só admitiu o que chama de "imagens de fundo objetáveis" depois que elas apareceram na internet. A empresa informou que recolheu cerca de 3,4 milhões de fitas nos EUA.

A cena de nudez no desenho animado amplia suspeitas entre milhares de cristãos do mundo
inteiro a respeito da idoneidade moral da companhia. Nos EUA, por exemplo, a numerosa Convenção Batista do Sul, que agrega cerca de 15 milhões de cristãos, aprovou há dois anos um boicote a todos os filmes, produtos e centros de diversão da empresa.

Venenos da Rede Globo