INSCREVA AQUI CURIOSIDADESOCULTAS

Seja bem-vindo. Hoje é

Sonda lançada há 35 anos ainda não saiu do Sistema Solar, diz estudo

Análise de dados enviados pela Voyager contraria expectativas.
Missão foi responsável por imagens de Júpiter, Saturno, Urano e Netuno.


A Nasa comemora nesta quarta-feira (5) os 35 anos do lançamento da sonda Voyager 1, que ainda está em funcionamento. Porém, ao contrário do que se pensava, a o objeto de maior distância percorrida já criado pelo ser humano ainda não atingiu os limites do Sistema Solar, de acordo com uma pesquisa publicada pela prestigiada revista científica “Nature”.
O fim do Sistema Solar é uma região chamada de heliopausa, onde os ventos solares deixam de chegar e começa o meio interestelar. É uma espécie de "bolha" ao redor do Sistema Solar, repleta de partículas de alta energia emitidas pelo Sol, que protege os planetas da radiação que vem do restante do Universo.
Em 2011, os astrônomos imaginavam que a sonda tivesse chegado a essa região, e passaram a fazer rotações periódicas na nave para medir o fluxo de radiação em diferentes sentidos.
A expectativa é que essa radiação do vento solar passasse a sofrer desvios, uma vez que a nave já estaria na heliopausa. Porém, isso não foi verificado na prática, e a equipe liderada por Robert Decker, da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, concluiu que a Voyager 1 ainda não está tão próxima de deixar o Sistema Solar quanto se imaginava.
Ilustração da Voyager em sua viagem pelo Sistema Solar (Foto: AP Photo/NASA)Ilustração da Voyager em sua viagem pelo Sistema Solar (Foto: AP Photo/NASA)
Histórico
A Voyager 1 foi lançada em 5 de setembro de 1977, apenas 16 dias depois de sua “gêmea” Voyager 2. A Voyager 1 já percorreu 18 bilhões de quilômetros, enquanto a Voyager 2, que foi lançada em uma outra direção, deixou para trás 15 bilhões de quilômetros.
As duas naves foram responsáveis pelas primeiras imagens aproximadas de Urano e Netuno, os dois planetas mais longínquos do Sistema Solar. Antes disso, fizeram importantes descobertas sobre as luas de Júpiter e de Saturno.
Apesar da mais recente pesquisa ter indicado que a nave está um pouco aquém do que se imaginava, os astrônomos estão certos de que ela vá, um dia, deixar os limites do Sistema Solar.
“Mal podemos esperar até que a Voyager transforme nossos modelos do espaço além do Sol em nossas primeiras observações do espaço interestelar”, afirmou Ed Stone, cientista de projetos da Voyager no Instituto de Tecnologia da Califórnia.
Nesta foto feita pela Voyager, a Terra não passa de um pontinho claro, destacado neste círculo desenhado pela Nasa (Foto: Nasa/JPL-Caltech)Nesta foto feita pela Voyager, a Terra não passa de um pontinho claro, destacado neste círculo desenhado pela Nasa (Foto: Nasa/JPL-Caltech)
tópicos fonte;g1

Astrônomos encontram estrela com 'segredo da juventude eterna'

Astro tem quantidade de lítio bem maior que o normal para a sua idade.
Pesquisa se baseia em imagem produzida por telescópio do ESO.

Messier 4, com destaque para a estrela rica em lítio (Foto: ESO)Messier 4, com destaque para a estrela rica em lítio (Foto: ESO)
Uma nova imagem divulgada nesta quarta-feira (5) pode trazer o que astrônomos chamaram de “segredo da juventude eterna” das estrelas. O estudo foi feito por especialistas do Observatório Europeu do Sul (ESO, na sigla em inglês), projeto que conta com participação brasileira.
A imagem mostra o aglomerado estelar Messier 4, também conhecido como NGC 6121, que fica na constelação do Escorpião. A região é composta por estrelas bastante antigas e já foi alvo de uma série de estudos – ela pode, inclusive, ser identificada com uso de um telescópio amador.
A equipe do ESO analisou várias estrelas individualmente. De acordo com a radiação emitida por cada uma, os astrônomos puderam calcular a composição química e a idade dessas estrelas.
Em uma dessas, os resultados foram intrigantes. Foi encontrada uma estrela velha com grande quantidade de lítio, uma substância incomum nessa idade. Geralmente, a estrela tem muito lítio no início de sua existência, mas destrói esse estoque ao longo de bilhões de anos, e chega ao fim já com uma pequena quantidade.
O que os astrônomos ainda não sabem é a fonte do lítio nessa estrela específica. Eles vão tentar descobrir se a estrela manteve o lítio original ou se conseguiu renovar seu estoque de alguma maneira.fonte;g1

AddToAny

Página