INSCREVA AQUI CURIOSIDADESOCULTAS

Seja bem-vindo. Hoje é

Padre Léo - Buscai as Coisas do Alto

padre leo NEM TUDO ME CONVÉM

EUA Pobre, Mississippi fica alheio à eleição presidencial

Nas margens das estradas do Mississippi, no chamado sul profundo dos EUA, ainda se veem algodoeiros em campos que vão até o horizonte, alagadiços se revezando com casebres e, às vezes, alguma fazenda mais portentosa.
Salário baixo atrai montadoras ao Mississippi
Para quem vem do vizinho Alabama rumo à capital, Jackson, e passa pelo condado de Neshoba, a paisagem é a mesma onde em 1964 três ativistas civis foram mortos por tentar registrar eleitores negros, no episódio que 24 anos depois inspiraria o filme "Mississippi em Chamas".

Luciana Coelho/Folhapress
Ativistas estudantis se reunem na capela do Tougaloo College em Jackson, Mississippi
Ativistas estudantis se reunem na capela do Tougaloo College em Jackson, Mississippi
O que não se vê ali, em 2012, são cartazes ou outros vestígios de que haverá uma eleição em pouco mais de três semanas e que nela o primeiro presidente negro dos EUA disputará um novo mandato.
O Estado mais pobre (renda per capita média 27% abaixo da nacional) e de maior população negra do país (37%, no Censo de 2010) inexiste no mapa de campanha de Barack Obama e Mitt Romney, que o contam automaticamente na coluna republicana.
Quatro anos depois da eleição de Obama e com todo o simbolismo que ela carrega, pouco mudou em um lugar onde negros ainda são exceção em restaurantes caros e em que o tempo parece congelado desde que os direitos civis viraram lei, há 48 anos.
"Isto aqui é o Mississippi. Essa história vem da escravidão, e tem gente aqui que ainda pensa com a mentalidade antiga, não quer mudança", afirma Wayne Walker, um operário de 38 anos que trabalha em Canton, a 35 km de Jackson, dirige uma hora para chegar ao trabalho e integra o movimento sindical.
"É por isso que ainda se usa a bandeira rebelde [a bandeira dos Estados escravagistas da Guerra Civil é parte da bandeira estadual]. É por isso que eles não gostam de sindicatos. É por isso que muita gente não vota."
O professor de ciência política D'Andra Orey, da Universidade Estadual de Jackson, se especializou na relação entre etnia e política e tem uma explicação para os baixos índices de comparecimento dos negros no Estado.
"Votar é um produto do status socioeconômico, tem a ver com custo-benefício."
O voto nos EUA não é obrigatório, e o dia da eleição --sempre a primeira terça-feira de novembro, neste ano dia 6-- não é feriado. "Se um grupo nota que o custo de votar é maior que os benefícios que o voto traz, desiste", diz ele.
"No delta do rio Mississippi, onde a pobreza é extrema, os índices de comparecimento são baixíssimos. E veja entre os operários. Alguém que trabalha numa fábrica e leva meia hora para chegar em Jackson vai deixar o trabalho para votar? Vai abrir mão de um dia de salário? Fora o gasto com a gasolina."
BRANCOS POLARIZADOS
Orey aponta uma tendência de a população branca do Estado votar maciçamente nos republicanos por ver sua hegemonia ameaçada.
A Folha tentou ouvir eleitores brancos em Madison, cidade vizinha a Jackson onde 80% dos moradores são brancos (o oposto da capital), a população abaixo da linha de pobreza é de 2% e a renda média é quase o triplo da do Estado. Ninguém aceitou.
Em 2008, 88% dessa fatia do eleitorado no Mississippi preferiu John McCain, enquanto no cenário nacional a preferência dos brancos pelo republicano foi de 55%.
"No Mississippi, por causa das raízes profundas do racismo e da polarização racial, brancos pobres não se encaixam no modelo [que conjuga economia e política]. É uma coesão comum a áreas com alta concentração de negros."
Na contramão, a noção de identidade negra se diluiu.
Mas a desigualdade persiste. Em seu livro mais recente, "The Price of Inequality" (o preço da desigualdade), o Nobel de Economia Joseph Stigltz lembra que a discriminação econômica contra negros, mulheres e latinos é um dos combustíveis do crescente abismo social americano.
"O salário desses grupos é claramente menor do que o dos homens brancos", diz.
DESALENTO JOVEM
O resultado é desalento.
Kimar Cain, um ativista de 22 anos no Tougaloo College que busca aliados para fundar uma união de estudantes negros, vê um problema específico em sua geração.
"O ativismo dos direitos civis foi pelo ralo. Até acredito que Obama seja o melhor candidato, mas não acho que tenhamos de sentar, cruzar os braços e esperar que resolvam nossos problemas."
Desde agosto, ele tenta registrar eleitores em Jackson e em suas cercanias e trabalha como voluntário do Partido Democrata --sediado numa pequena casa na capital onde a presidente se recusou a receber a reportagem e a campanha obamista desistiu dos votos locais para focar em angariar fundos e votos na Flórida, Estado-chave na eleição.
"Perguntei a uma garota que fui registrar qual era a razão para ela não querer votar. Por que não querer ter sua voz ouvida? Ela disse que não ia mudar nada", lembra.
O episódio não é único. "Ela mora na parte oeste da cidade, que é a parte mais pobre e problemática. O pessoal lá é blindado pelo ambiente, acha que nada vai mudar, mesmo que votem.
Depois, as pessoas acabam tirando vantagem do sul porque pensam que somos desencanados, que deixamos que outros tome as decisões por nós."
A operária e vendedora Rosalind Essex, 49, acha que a geração mais nova perdeu o interesse pelo movimento que culminou nos anos 60.
"Eles não estudam história. Não se importam. Não sabem como as pessoas morreram, apanharam para ter espaço", lamenta. "Talvez, se mostrassem filmes, atraíssemos alguém. Mas, quando tentamos falar, os garotos dizem que é passado. Só que as coisas continuam iguais."
Segundo Orey, as escolas do Estado --as mais mal avaliadas do país-- incluem muito pouco da história do movimento em seus currículos.
  fonte;RAFAEL GARCIA, enviado ao Mississippi

Austriaco Felix Baumgartner sobe na cápsula que o levará para a estratosfera

Felix Baumgartner está se preparando para quebrar recorde feito em 1960.
Ele pretende superar a velocidade do som em queda livre.

Agencia EFE
O austríaco Felix Baumgartner subiu na cápsula que deverá levá-lo para seu salto estratosférico, começando assim os preparativos finais da missão após várias horas de atraso devido ao vento excessivo. A equipe técnica de Baumgartner informou que a missão segue em frente após os fortes ventos em Roswell, nos Estados Unidos, terem atrasado os preparativos da missão por horas.
Desta forma, a subida do balão que levará a cápsula até a estratosfera, a uma altura de 36.576 metros, de onde Baumgartner saltará, começará às 11h45 (de Brasília). A subida deverá demorar cerca de 2h30 se não ocorrerem problemas adicionais.
Felix Baumgartner  (Foto: Reprodução Globo News)Felix Baumgartner (Foto: Reprodução Globo News)
O salto estratosférico do austríaco Felix Baumgartner, com o qual ele pretende superar a velocidade do som em queda livre, voltou a sofrer atrasos devido ao forte vento. Ele tenta realizar neste domingo (14) seu sonho de ser o primeiro ser humano a superar a velocidade do som em uma queda livre da estratosfera, após na terça-feira (9) seu salto ter sido cancelado devido aos fortes ventos.

O início da fase final de preparação do salto estava previsto para as 9h (de Brasília), mas as rajadas de vento atrasaram esta etapa para as 10h30 (de Brasília). O projeto está sendo realizado em Roswell, nos Estados Unidos. “Ocorreu o mesmo que na terça-feira passada, quando os ventos atingiram a parte superior do balão”, explicou Don Day, o meteorologista chefe do projeto à televisão austríaca Servus.
Day disse que as chances da missão ser realizada neste domingo são de 70%. Na terça-feira passada, a subida do balão de hélio que levará a cápsula de Baumgartner até 36.576 metros foi suspensa devido ao forte vento. Para o lançamento ocorrer os ventos devem ser de menos de 3 km/h nos primeiros 244 metros.
Às 7h55 (de Brasília) foram registradas rajadas de vento de 11 km/h no local da missão.
O balão utilizado é o único de reserva, por isso, se o projeto não foi realizado neste domingo, deverá ser suspenso por vários meses, já que se ele for aberto não pode ser reutilizado. O tecido sintético do balão é muito delicado, de apenas 0,002 centímetros de espessura.
"Queremos estender os limites da humanidade um pouco mais", disse Baumgartner no sábado (13) em uma rede social sobre o que significa o projeto.
Na terça-feira, quando o austríaco de 43 anos já estava sentado na cápsula, pronto para a decolagem, a missão foi suspensa devido a uma forte rajada de vento.
"Serei orgulhoso de ser a primeira pessoa em romper a barreira do som em queda livre. Mas sei que parte de toda esta experiência também ajudará que os futuros trajes pressurizados para os turistas espaciais e pilotos sejam mais seguros", declarou Baumgartner em entrevista divulgada no sábado pelo patrocinador.fonte;g1

Pe. Léo - A cura a partir do encontro pessoal com Jesus

AddToAny

Página