INSCREVA AQUI CURIOSIDADESOCULTAS

Seja bem-vindo. Hoje é

BRASIL SECA NORDESTE?Donos de carros de luxo ficam com verba para agricultor

Era para ser um programa assistencial apenas para pequenos agricultores que tiveram perdas com a seca. Mas donos de carros de luxo e políticos também receberam benefício

Seca: verba de programa assistencial destinado a pequenos agricultores foi recebida indevidamente por mais de 65 mil pessoas, segundo TCU
São Paulo – Donos de carros que custam mais de R$ 100 mil reais, funcionários públicos, um prefeito, um vice-prefeito, um vereador e até pessoas mortas constam na lista de contemplados pelo programa de ajuda do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) originalmente destinado a pequenos agricultores que tiveram colheitas prejudicadas pela seca.

07/03/2014

EUA Trabalhadores formados aceitam empregos de baixa remuneração

Trabalhadores formados aceitam empregos de baixa remuneração

Nova dinâmica que está forçando quem saiu da faculdade a competir com quem saiu do ensino médio por trabalhos de baixa remuneração


Funcionária do McDonald's servindo uma batata frita em um restaurante da rede
Funcionária do McDonald's servindo uma batata frita: taxa de desempregados entre americanos de 25 a 34 anos que só concluíram o ensino médio para 10,6% em 2013
Washington - Jeanina Jenkins, de St. Louis, tem 20 anos, se formou no ensino médio e está presa em um trabalho de meio período na McDonald’s, que paga US$ 7,82 por hora e ao qual ela se refere como “último recurso”, porque ninguém lhe ofereceria algo melhor.
Stephen O’Malley, 26, formado na Universidade de West Virginia, quer utilizar seu diploma em História para dar aulas no ensino médio. Mas o que ele encontrou foi um trabalho como barman em sua cidade natal, Manasquan, Nova Jersey.
Jenkins e O’Malley são os dois extremos de uma dinâmica que está forçando quem saiu da faculdade a competir com quem saiu do ensino médio por trabalhos de baixa remuneração que não exigem título universitário. Essa concorrência se intensificou durante e após a recessão, significando um desemprego relativamente mais alto, redução da participação no mercado de trabalho e salários mais baixos para aqueles com menos escolaridade.
A taxa de desempregados entre americanos de 25 a 34 anos que só concluíram o ensino médio aumentou 4,3 pontos porcentuais para 10,6 por cento em 2013 desde 2007, de acordo com dados do Departamento de estatísticas do trabalho. O desemprego para aqueles dessa faixa etária que têm um título universitário subiu 1,5 ponto porcentual para 3,7 por cento no mesmo período.
“O subemprego de universitários afeta as partes menos escolarizadas da força de trabalho”, disse o economista Richard Vedder, diretor do Centro para Acessibilidade e Produtividade Universitárias, uma organização de pesquisa sem fins lucrativos em Washington. “Aqueles com diplomas do ensino médio que normalmente não teriam dificuldade para conseguir trabalhos de barman ou motorista de táxi às vezes perdem esses postos para pessoas com diplomas universitários”, disse Vedder, que também contribui para a Bloomberg View.
Posições de baixa remuneração
Recém-formados em universidades estão indo parar em mais posições de baixa remuneração e de meio-período, à medida que se torna mais difícil encontrar trabalhos adequados ao nível educacional, de acordo com uma pesquisa de janeiro realizada pelo Banco da Reserva Federal de Nova York.
A concorrência reduz as opções de emprego para indivíduos com menos escolaridade que também são capacitados, disse Heidi Shierholz, economista do Instituto de Política Econômica em Washington.
“Os universitários podem não estar em um trabalho que requeira um título universitário, mas é mais provável que eles consigam um trabalho”, disse.

Os jovens adultos com menor escolaridade têm então maior probabilidade de abandonar o mercado de trabalho, disse Paul Beaudry, professor de economia da Universidade de British Columbia em Vancouver, que estuda as tendências de emprego dos EUA.
“No fundo do poço, vemos pessoas aceitando os piores tipos de trabalho ou desistindo de vez”, disse Beaudry.
A proporção de jovens adultos de 20 a 24 anos que não estão trabalhando ou estudando subiu a 19,4 por cento em 2010, de 17,2 por cento em 2006. Na faixa etária de 25 a 29 anos, ela passou de 20 por cento para 21,3 por cento no mesmo período, de acordo com um relatório de dezembro do Banco da Reserva Federal de Boston.
Como o número de formados universitários supera a disponibilidade de trabalhos adequados para esse nível educacional e eles terminam aceitando o que vier, todos os outros são empurrados para baixo na pirâmide, disse Katie Bardaro, economista-chefe e gerente de análise da PayScale, que fornece informações de remuneração.
“Eles não podem passar para um nível inferior de trabalho porque já estavam em um nível baixo”, disse Bardaro.
Objetivo: enfermagem
Jeanina Jenkins sabe que atingir seu objetivo de se tornar uma enfermeira registrada requer uma formação do ensino superior. Seu trabalho atual na McDonald’s paga pouco por hora em comparação com os salários esperados para uma enfermeira registrada, com uma mediana anual de salário de US$ 65.470 em 2012, de acordo com o BLS.
“Para trabalhar em outro lugar você precisa mais do que o diploma do ensino médio”, disse Jenkins, que teve que abandonar o primeiro ano da Universidade de Missouri-St. Louis no fim do ano passado para ajudar a sustentar sua família. “Temo por minha carreira porque já não estou estudando”.
fonte;exame.com

Sob aplausos de cariocas nas ruas, garis fecham avenida do centro do Rio

Garis tomam a avenida Rio Branco em passeata no Rio de Janeiro, nesta sexta-feira (7)
  • Garis tomam a avenida Rio Branco em passeata no Rio de Janeiro, nesta sexta-feira (7)
Pelo menos mil garis tomaram a avenida Rio Branco, uma das principais vias do centro do Rio de Janeiro, nesta sexta-feira (7), em mais um protesto em favor da paralisação da categoria. Em clima de bloco de Carnaval e sob aplausos da população, os manifestantes fecharam toda a avenida, mesmo com a orientação da Polícia Militar para que eles ocupassem apenas a faixa lateral.
Diante do entusiasmos dos grevistas, a PM não ofereceu resistência. Por volta das 14h20, a passeata chegou à praça da Cinelândia, nas proximidades do Theatro Municipal, e os manifestantes tomaram as escadarias da Câmara de Vereadores em poucos segundos. No local, eles fazem discursos e gritam palavras de ordem contra o prefeito Eduardo Paes (PMDB). Às 14h30, a avenida Rio Branco foi liberada para o trânsito.
Ampliar

Com greve de garis, lixo se acumula no Rio

44 / 72
6.mar.2014 - Cerca de 300 garis se reuniram na manhã desta quinta-feira (6) na frente da Comlurb (Companhia Municipal de Limpeza Urbana). Os funcionários decidiram manter a greve da categoria, que teve início no último sábado (1º) Leia mais Marcelo Piu / Agência O Globo
Durante o trajeto pelas ruas do centro do Rio, houve quem achasse se tratar de um bloco de Carnaval. Com batucada e fantasias improvisadas, os garis iniciaram a caminhada na sede da Prefeitura do Rio e passaram por toda a avenida Presidente Vargas antes de chegar à Rio Branco.
O hino da passeata foi a paródia do samba "Acelera, Tijuca!", que virou "Acelera, Comlurb!" na versão dos garis. Eles também cantaram adaptações de marchinhas tradicionais do Carnaval carioca e da música "Vou Festejar", que ficou conhecida na voz de Beth Carvalho.

Sujeira nas ruas

Empresários e funcionários de dois grandes pólos comerciais da zona oeste do Rio de Janeiro já estão sentindo os efeitos da falta de coleta de lixo e varredura nas ruas. A greve dos garis, iniciada no sábado (1°) já dura sete dias e não tem previsão para acabar. Com isso, as ruas de Bangu e Campo Grande estão tomadas pela sujeira. O efeito tem sido lojas mais vazias depois do feriadão de Carnaval.

Gari Renato Sorriso declara apoio a colegas grevistas

Na rua Barcelos Domingos, em Campo Grande, uma montanha de lixo se formou em uma das poucas praças que existem na região. À frente da sujeira, a lojista Sirlei Zanetti de Lima, 51, diz que não adianta limpar a loja para tentar se livrar do cheiro insuportável que tomou conta da vizinhança.
"Esse cheiro de azedo no ar espanta qualquer freguesia. Não estamos aguentando mais isso. Minha loja virou uma grande lixeira, porque o lixo da rua está vindo parar aqui dentro", reclama a empresária que atua no ramo de bolsas e acessórios no calçadão de Campo Grande. "Além disso, os clientes não suportam esse futum, eu estou tendo prejuízos. O pior é que, ao contrário dos clientes, eu não tenho como me esquivar de ficar perto dessa nojeira. Eu trabalho aqui, não tenho como fugir."
Mais adiante, já na rua que leva o mesmo nome do bairro, uma outra montanha de lixo dificulta a passagem de pedestres pela calçada. De um lado do lixo acumulado, o sorveteiro Sérgio Murilo diz que também está vendendo pouco.
As ruas do centro do Rio, por outro lado, amanheceram bem mais limpas do que nos dias anteriores. Mas a situação ainda é crítica também em vários pontos das zonas sul e norte --especialmente na Ilha do Governador-- da cidade. As favelas da Rocinha e Pavão Pavãozinho, na zona sul, amanheceram cobertas de lixo, mas homens da Comlurb já começaram a retirada dos resíduos nos morros.
Parados desde o dia 1°, os garis exigem aumento salarial, pagamento de horas extras e reajuste do auxílio refeição, entre outras reivindicações. Pelo acordo coletivo anunciado na segunda-feira (3), os garis terão 9% de aumento salarial (o piso passará de R$ 802 para R$ 874), mais 40% de adicional de insalubridade.

Eduardo Paes joga lixo na rua

Segundo a Comlurb, com isso, o vencimento inicial passará a ser de R$ 1.224,70. Além do aumento salarial, o acordo garantiu mais 1,68% dentro do Plano de Cargos, Carreiras e Salários, com progressão horizontal. Os garis, no entanto, consideram a proposta insatisfatória, já que pedem um piso salarial de R$ 1.200.
O gari Célio Viana, um dos líderes do movimento grevista, disse que nesta sexta, 70% dos cerca de 4.000 garis da Comlurb estão parados. Já segundo o presidente da Comlurb, Vinicius Roriz, a paralisação atingiu entre 30% e 35% dos responsáveis por varrer as ruas e fazer a coleta dos resíduos.fonte;uol

JOAQUIM Barbosa O JUIZ STF COMUNISTA será Presidente do Brasil 2014.??????






Se for candidato, Barbosa será adversário, diz presidente do PT

O presidente nacional do PT, Rui Falcão, afirmou nesta sexta-feira (7) que o presidente do STF, Joaquim Barbosa, será tratado com adversário político do partido da presidente Dilma Rousseff, caso opte por concorrer a algum cargo na disputa eleitoral de outubro.

Você acha que Joaquim Barbosa vai se candidatar nas eleições de 2014?

REALIDADE PARA COPA MUNDO 2014 Garis fazem novo protesto em frente à prefeitura do Rio




Trabalhadores da limpeza urbana durante manifestação nas ruas do Rio

Cerca de 500 garis da Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb) realizam na manhã desta sexta-feira, 07, um protesto em frente à sede da prefeitura do Rio, na Cidade Nova, no centro. Ao contrário das outras manifestações, desta vez, a maioria dos garis está vestindo o uniforme laranja da empresa. Eles exigem ser recebidos por algum representante da prefeitura para discutir a pauta de reivindicações da categoria, que inclui entre outros pontos, salário base de R$ 1.200, além de 40% de adicional de insalubridade.
Até o momento, a prefeitura oferece aumento de 9%, para R$ 874 59, mais o adicional de insalubridade. Dezenas de policiais militares do Batalhão de Choque fazem um cordão de isolamento em frente ao prédio da prefeitura. O protesto, que começou às 10h, transcorre pacificamente. Os manifestantes carregam faixas com os dizeres "Estamos sendo tratados como lixo", "Chega de covardia, não somos palhaços" e "Não somos lixo".

Diversos garis se revezam para discursar em um carro de som cedido, pelo segundo dia consecutivo, pelo Sindicato dos Trabalhadores da Universidade Federal Fluminense (Sintuff). O gari Célio Viana, um dos líderes do movimento grevista, disse que nesta sexta, 70% dos cerca de 15 mil garis da Comlurb estão parados. "Ainda não tivemos nenhum diálogo com a prefeitura. Vamos continuar com os protestos todos os dias até sermos recebidos. Não concordamos com o acordo celebrado com o Sindicato (dos Empregados de Empresas de Asseio e Conservação do Município do Rio), porque ele não nos representa".

Os manifestantes distribuem uma carta aberta à população do Rio que diz que a culpa da greve é do prefeito Eduardo Paes (PMDB), do presidente da Comlurb, Vinícius Roriz, e do Sindicato. "Os transtornos criados em função do acúmulo do lixo na cidade são de única e exclusiva responsabilidade do prefeito Eduardo Paes e do presidente da Comlurb que se negam a negociar e atender as nossas reivindicações. São eles que devem ser cobrados por toda essa situação. Nós só queremos dignidade em nosso trabalho. Essa é nossa única motivação".

Nesta sexta-feira, sétimo dia de greve dos garis, as ruas do centro do Rio amanheceram bem mais limpas do que nos dias anteriores. Mas a situação ainda é crítica em vários pontos das zonas sul, norte e oeste da cidade.fonte;uai

A legalização da maconha tem consequências, a quem interessa destruição da familia?

A quem interessa a destruição da família brasileira? A quem interessa o caos social?

Recentes estudos coordenados pela OEA têm demonstrado que, em todos os países onde houve algum nível de liberação das drogas, o consumo aumentou notadamente entre os jovens. Nos lugares onde houve maior tolerância com a maconha, seu consumo aumentou em razão da queda no preço do produto, verificando-se, também, um maior consumo de outras drogas perigosas. Este é o caso de Portugal, Áustria, Holanda, Reino Unido, alguns Estados americanos e o Brasil – onde, em 2006, a legislação abrandou a pena para o consumidor.

Na Holanda, o consumo de maconha cresceu 5%. Eu vi a bela cidade de Amsterdã - terra encantada do Rijksmuseum, StedelijkMuseum, Casa de Rembrandt, Casa de Anne Frank, Museu Van Gogh e outros - infestada de pessoas, principalmente jovens, exalando maconha de suas roupas pelos bondes. E este mesmo espírito libertarian, que não mede as consequências sociais dessas legalizações nefastas, incentiva, in pari passu, a perversão do turismo sexual do Bairro da Luz Vermelha. Dos grandes canais e artistas às bandeiras verdes e vermelhas da degradação moral, cultural e paisagística da capital dos Países Baixos.
No caso português, uma pesquisa realizada pelo Instituto da Droga e Toxicodependência (IDT) registrou que, entre 2001 – data em que foi implementada a política de descriminalização da droga em Portugal – e 2007, o consumo continuado de drogas registrou, em termos absolutos, uma subida de 66%. De forma segmentada, a pesquisa apontou ainda que, no período em análise, registrou-se aumento de 37% no consumo de Cannabis, de 215% no de cocaína, de 57,5% no de heroína e de 85% no de Ecstasy.
Embora a psiquiatria brasileira confirme alguns benefícios clínicos pontuais da Cannabis no tratamento de algumas doenças como o glaucoma, faz o alerta quanto aos perigosos efeitos colaterais em longo prazo, tais como: infertilidade, esquizofrenia e outras psicoses, e desagregação social.
Uma pesquisa do Instituto Neurológico de Queensland, na Austrália, estudou mais de 3.801 homens e mulheres nascidos entre 1981 e 1984 e os acompanhou por 21 anos para perguntar-lhes sobre seu uso de maconha, avaliando os pacientes para episódios psicóticos. A conclusão: jovens que fumam maconha por seis anos têm o dobro da probabilidade de sofrer episódios psicóticos, alucinações ou delírios do que pessoas que nunca usaram a droga.
Os efeitos reais sobre os jovens são inevitáveis: aumentando o consumo de maconha, aumentará também a evasão escolar – por confusão mental, diminuição da memória e rebaixamento da inteligência –, a taxa de dependência química de outras drogas, índices de depressão e esquizofrenia.
Se já somos o maior mercado consumidor de crack do mundo e o segundo de cocaína, temos perto de 10 milhões de jovens “nem-nem” (aqueles que nem trabalham, nem estudam), um consumo frenético de Rivotril (ansiolítico, o segundo medicamento mais vendido no país, algo em torno de 14 milhões de caixas/ano), 50 mil estupros e 47 mil homicídios por ano, 58º lugar no ranking de educação no Pisa, queremos ser o maior mercado de maconha, a ilustrar a nossa galeria de medalhas de papelão queimado?
O que se passa no Brasil de hoje já foi diagnosticado por Viktor E. Frankl - psiquiatra austríaco e fundador da logoterapia – em seu livro “Em Busca de Sentido - Um Psicólogo no Campo de Concentração”, em que afirma categoricamente: “há ampla evidência empírica de que as três facetas desta síndrome - depressão, agressão, dependência de drogas - são devidas ao que se chama em logoterapia de ‘o vazio existencial’, um sentimento de vacuidade e de falta de sentido”.
A quem interessa a destruição da família brasileira? A quem interessa o caos social? A quem interessa a falta de sentido?

fonte; midia sem mascara
Escrito por Wagner Bento | 09 Janeiro 2014
Artigos - Direito

Como a legislação trabalhista BRASIL causa desemprego EM 2014



Para os brasileiros, ainda não "caiu a ficha" de que o mundo está em uma corrida desenvolvimentista no qual o trabalho é visto como um fator de produção estratégico.
 
O que trago na figura acima é um aviso postado por um dos maiores supermercados de Belém, que avisa não ser mais possível deslocar funcionários do estabelecimento para carregarem as compras de seus clientes até suas residências, devido a quê? À legislação trabalhista!
Stálin foi um entusiasmado promotor dos direitos trabalhistas. Claro, não na União Soviética, mas fora dela, à maneira como hoje os direitos dos trabalhadores são inexistentes em Cuba, Coréia do Norte, Vietnã, Camboja e China. 

07/03/2014

AddToAny

Página