INSCREVA AQUI CURIOSIDADESOCULTAS

Seja bem-vindo. Hoje é

BRAIL PT tem chance real de perder, diz cientista político EM 2014

Sérgio Praça afirmou que os números do Ibope não chegam a ser "catastróficos para o governo"EM 2014




Dilma Rousseff: "PT tem uma chance real de perder a Presidência, mas, do ponto de vista dele, não estaria nem confiante nem desesperado", afirmou Sérgio Praça


São Paulo - O cientista político Sérgio Praça afirmou que os números da pesquisa Ibope divulgada nesta quinta-feira não chegam a ser "catastróficos para o governo".

18/04/2014

Terra da árvore usada para a cruz de Jesus enfrenta abandono e esquecimento em Jerusalém

A tradição ao longo de quase dois milênios acredita que em um terreno de Jerusalém cresceu a árvore da qual foi extraída a madeira para fazer a cruz de Jesus. No local, considerado especial para os cristãos, foram construídas muralhas enormes, o que torna o local semelhante a uma fortaleza. No interior da grande construção, o Mosteiro da Santa Cruz se estabeleceu por volta do século 6 e hoje está esquecido até por autoridades religiosas e pesquisadores. A torre desta foto foi feita em estilo rococó espanhol é a parte mais recente dentro das muralhas, construídas entre o século 5 e 6 Richard Furst/ UOL
A tradição ao longo de quase dois milênios acredita que em um terreno de Jerusalém cresceu a árvore da qual foi extraída a madeira para fazer a cruz de Jesus. No local, considerado especial para os cristãos, foram construídas muralhas enormes, o que torna o local semelhante a uma fortaleza. No interior da grande construção, o Mosteiro da Santa Cruz se estabeleceu por volta do século 6 e hoje está esquecido até por autoridades religiosas e pesquisadores.
A quantidade de religiosos vivendo no local é muito menor à de 100 anos atrás: são apenas quatro monges gregos no prédio onde funcionou, por muitos anos, um seminário com capacidade para 400 religiosos.
Por toda parte do prédio, as referências à cruz são constantes. "É o símbolo mais importante dos seguidores de Jesus. Um diferencial para todo cristão, não importa se é ortodoxo, neopentecostal, da Igreja Católica Romana ou protestante", diz o grego Cláudio Peppas, atual padre superior do mosteiro.
Arte UOL
Os frades franciscanos, responsáveis pela Custódia da Terra Santa, que cuida dos santuários católicos, afirmam por sua vez que ao se tratar de um santuário ortodoxo, o lugar não é frequentado pelos peregrinos da Igreja Católica, "apesar de marcar um lugar tão importante relacionado com a cruz".
Para acessar o complexo, uma porta de pequenas dimensões obriga o visitante a se agachar ou curvar -- assim como na Basílica do Nascimento de Jesus, em Belém, na Cisjordânia. Passando por alguns pátios com pés de laranja e romã, chega-se à parte principal da igreja, um pequeno santuário sob uma grande cúpula. O altar está sobre uma pequena gruta relacionada à tradição da "árvore da cruz". O templo foi restaurado entre as décadas de 1970 e 80 e os mosaicos que pavimentam o chão, assim como as muralhas, se conservam em bom estado.
Não há provas científicas que confirmem de qual madeira foi construída a cruz de Jesus, mas os peregrinos acreditam que foi de uma oliveira -- típica da região desde as épocas bíblicas.
Do lado de fora, os vasos de plantas, o canto de dezenas de passarinhos e a limpeza do local ajudam a esconder tesouros deixados à porta fechada. No alto do mosteiro está uma biblioteca divida em três setores com milhares de livros raros -- a maioria das obras remonta os séculos 15 e 16.  Páginas e capas dos livros são consumidas aos poucos por insetos e danificadas pela umidade e sujeira que se acumula rapidamente. Um setor do acervo, em cima da igreja, está completamente fechado devido aos riscos de infecção de quem entra no local.
Além dos livros, o Mosteiro da Santa Cruz possui espaços que podem despertar a atenção não só de especialistas, pesquisadores ou peregrinos, mas de turistas e gente interessada em ter contato com as paisagens do local. A abertura desses espaços exigiria a contratação de novos funcionários e restaurações, mas não há um projeto previsto para isso ocorrer.
Você sabia?
  • Fundação
    A estrutura, similar a um forte, foi fundada entre o século 5 e 6 pelo rei Bagrat da Geórgia para comemorar a tradição que a árvore de oliveira cresceu aqui. Persas devastaram o edifício em 614 DC e os muçulmanos destruíram a substituição no ano de 1009. A reconstrução começou em 1038, apesar de várias adições feitas desde então, incluindo uma torre em estilo rococó espanhol em meados do século 19 Foto: Richard Furst/ UOL
  • Mosteiro hoje
    O mosteiro como os peregrinos conhecem hoje é de estilo bizantino e pertence à Igreja Greco-Ortodoxa desde o século 17. Somente em 1685, os gregos adquiriram o complexo que pertencia aos georgianos. Com o passar do tempo, o Mosteiro da Santa Cruz foi parcialmente saqueado, mas nunca destruído Foto: Richard Furst/ UOL
  • Em fevereiro de 2012
    O convento foi pichado com frases em hebraico como "morte aos cristãos" e "rótulo de preço". A expressão, segundo investigações israelenses, indica que os autores podem ser colonos judeus de extrema-direita que aplicam a chamada "política de preços" em resposta às ações que consideram contrárias aos seus interesses e que seriam praticadas por palestinos, a polícia e o exército Foto: Richard Furst/ UOL
"Talvez o aumento de visitantes possa trazer mais vida ao mosteiro, por isso mantemos pelo menos parte dele aberto. Convocamos o governo local para nos ajudar nesta tarefa e vamos tentar divulgar ao menos com as pessoas que vem conferir de perto", diz Angela Maria Arbelaez diretora do Diálogo Interconfessional Judaico-Cristão na Terra Santa, grupo empenhando em encontrar algum instituto ou universidade interessados na recuperação dos acervos. Arbelaez diz que algumas ações são feitas entre as diferentes religiões, como visitas em grupos, mas os resultados ainda são pequenos.
A localização isolada do complexo, num vale abaixo do Museu de Israel, em Jerusalém, contribui para dificultar o acesso de turistas. As muralhas estão a dois quilômetros da Cidade Antiga, mas a apenas dez metros de uma das mais movimentadas avenidas de Jerusalém, ao lado do Knesset, o Parlamento israelense.
"Aqui é Jerusalém Ocidental e é difícil para nós que moramos no Leste da cidade. Eu me arrisco a vir não só por ser o verdadeiro lugar da cruz, mas pela sensação de estar aqui, sinto protegida no meio dessas pedras", diz uma senhora árabe de passagem rápida pelo local para rezar na capela.
Diante da situação do mosteiro 'escondido', o padre Cláudio Peppas, superior há mais de dez anos no mosteiro, lamenta: "falta alguém para carregar esta cruz conosco e é preciso mais que ombros fortes".FONTE;UOL

VERDADE SOBRE GOVERNO BRASILEIRO 2014

 

 

Pesquisa do IBGE derruba três mitos do governo Dilma sobre o emprego

Suspensa de maneira de controversa, a pesquisa ampliada do IBGE sobre o mercado de trabalho tem o potencial de derrubar mitos propagados pelo governo Dilma Rousseff sobre o emprego no país.
Apurados em todo o país, os números mostram que o cenário atual é, sim, favorável -mas não a ponto de autorizar afirmações de tom épico como as mostradas abaixo, retiradas de discursos da presidente.
1) “Nós hoje, no Brasil, vivemos uma situação especial. Nós vivemos uma situação de pleno emprego.” (Dilma, 29/01/13)
O mito revisto: “Nós chegamos próximos do pleno emprego.” (Dilma, 17/07/13)
Os dados: A tese do (quase) pleno emprego se amparou nos resultados da pesquisa mais tradicional do IBGE, limitada a seis regiões metropolitanas, que mostra desemprego na casa dos 5%.
A pesquisa ampliada que começou a ser divulgada neste ano mostra taxa mais alta, de 7,1% na média de 2013, e, sobretudo, desigualdades regionais: no Nordeste, o desemprego médio do ano ficou em 9,5%.
 2) “O Brasil, hoje, é um país que, em meio à crise econômica das mais graves, talvez a mais grave desde 1929, é um país que tem a menor taxa de desemprego do mundo.” (Dilma, 14/06/13)
O mito revisto: “Hoje nós temos uma das menores taxas de desemprego do mundo. (Dilma, no mesmo discurso)
Os dados: Em comparação com o resto do mundo, não há nada de muito especial na taxa brasileira. É semelhante, por exemplo, à dos Estados Unidos (6,7% em março), que ainda se recuperam de uma das mais graves crises de sua história.
O desemprego no Brasil é menor que o de importantes países europeus, mas supera o de emergentes como Coreia do Sul (3,9%), China, (4,1%,), México (4,7%) e Rússia (5,6%), além de ricos como Japão (3,6%), Noruega (3,5%) e Suíça (3,2%).
3) “Temos o menor desemprego da história.” (Dilma, 23/12/12)
O mito não foi revisto.
Os dados: A base da afirmação é que a taxa apurada em apenas seis metrópoles é a menor apurada pela atual metodologia, iniciada em 2001. Já foram apuradas no passado, com outros critérios, taxas iguais ou mais baixas.
A pesquisa ampliada permite comparações com taxas apuradas no passado por amostras de domicílios. Dados do Ipea mostram que o desemprego atual é semelhante, por exemplo, ao medido na primeira metade nos anos 90.
Leia mais: Ministra nega interferência do governo no IBGE
Ficou alguma dúvida? Faltou alguma informação?
FONTE;FOLHA

AddToAny

Página